Fechar

Não participou dos eventos anteriores?

Saiba tudo que aconteceu na primeira e segunda edição.

[Download] Fórum do Agronegócio 2018 [Download] Relatório Fórum do Agronegócio 2017

“Logística deve ser política de estado”, afirma coordenador do Movimento Pró-Logística

Edeon Vaz participará do Fórum do Agronegócio 2019 para discutir formas de melhorar a infraestrutura de escoamento de produção

[“Logística deve ser política de estado”, afirma  coordenador do Movimento Pró-Logística]

O coordenador do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz, é um dos painelistas convidados do Fórum do Agronegócio 2019, que acontece durante a ExpoLondrina. O Fórum terá como tema “Potencializar o Agro: da infraestrutura à agregação de valor. Soluções”. Vaz participará do painel “A lógica para a infraestrutura e a logística”, com mediação do jornalista e editor de Agronegócios do Valor Econômico, Fernando Lopes, e participação do consultor internacional para logística portuária Luiz Henrique Dividino. A terceira edição do Fórum será realizada dia 8 de abril (segunda-feira), a partir das 13 horas, no Recinto Horácio Sabino Coimbra, dentro do Parque Governador Ney Braga.  A realização é da Sociedade Rural do Paraná (SRP)

Para Edeon Vaz, a implantação de infraestrutura logística deve ser tratada como política de estado. “Todo o início de governo é momento para discutir estes temas, pois a estrutura de logística é o ‘calcanhar de aquiles’ do agronegócio brasileiro. Por isso, temos que exigir que os governos façam o máximo que puderem na questão da infraestrutura”, diz.

Segundo ele, hoje, os estados da região Centro-oeste e do Norte do Brasil, região de fronteira agrícola, vivem uma situação difícil. “Essa peculiaridade exige uma maior intensidade do trato deste assunto. Temos de pavimentar e criar rodovias, criar ferrovias e portos. É bem diferente da situação que temos hoje no Sul e Sudeste. Há muito o que fazer nessa área”, diz.

E cita o exemplo do Mato Grosso, um estado que possui 7,5 mil km de estradas federais, 30 mil km de estradas estaduais e aproximadamente 100 mil km de estradas vicinais ou municipais. “O Brasil não tem uma política destinada a estradas municipais. Existiram algumas iniciativas em nível de governo federal mas que não foram dadas sequência”, explica. Segundo ele, elas são apenas utilizadas pelos políticos para buscar votos. “Temos que ter uma política nacional para estradas vicinais, que são como as veias do corpo. Elas levam nossa produção para as estaduais, que levam para as federais, que são as grandes artérias do nosso sistema logístico”, afirma.

Segundo o coordenador, têm-se conseguido, nos últimos anos, um avanço significativo no escoamento da produção agrícola do Paralelo 16 até o norte. “Esse paralelo 16 é uma linha imaginária que cruza Ilhéus, Brasília e Cuiabá. Essa região  produz mais de 50% do milho e da soja produzidos pelo Brasil. Em 2009, eram escoados pelo arco norte 7 milhões e 200 mil toneladas. Nos últimos anos, foram 32 milhões de toneladas já escoadas e a tendência é de crescimento”, aponta. 

Com essa saída pelo norte, ele diz que há dois resultados. “O primeiro deles é que o custo do frete rodoviário até os portos é menor pois é feito em esquema rodo-hidroviário, ou rodoviário-ferroviário”, afirma. E, como segundo resultado, ele aponta o fato de que o Sudeste e o Sul possam usar os seus portos com produtos de maior valor agregado. “Isso é um avanço significativo para o Brasil. Nós temos de escoar o máximo possível por esses portos do arco norte. Mas é necessário que se faça investimento e o crescimento desses portos. Hoje a capacidade é de 42 milhões de toneladas, mas precisamos crescer com novos investimentos”, diz.

Notícia anterior Fórum do Agronegócio... Próxima notícia Aprosoja quer trabalhar...